9º Encontro Paulista de Museus marca abertura do Cadastro Estadual de Museus a todos os museus paulistas

Depois de anos de estudo, levantamentos, testes e análises, foi aberto a todos os museus paulistas o Cadastro Estadual de Museus (CEM-SP) – ferramenta que servirá como base para todos os trabalhos relacionados ao setor museológico em São Paulo. A abertura ocorreu na manhã desta terça-feira (20), segundo dia do 9º Encontro Paulista de Museus (9EPM). O cadastro já pode ser feito no site do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP): www.sisemsp.org.br.

O objetivo da ferramenta é explicar objetivamente os critérios para identificar quais instituições podem, de fato, ser classificadas como museus. Para isso, são três os principais eixos do CEM-SP: Gestão e Governança, Salvaguarda de Acervos e Comunicação e Serviços ao Público.

“O Cadastro Estadual de Museus é o meio pelo qual as instituições paulistas podem se habilitar as políticas públicas para o setor e tenham acesso a repasses públicos de verbas, exposições itinerantes, entre outras ações conjuntas”, observou o diretor do Grupo Técnico de Coordenação do SISEM-SP, Davidson Kaseker.

O CEM-SP foi lançado em fase de testes no ano passado, de maneira restrita aos museus da Baixada Santista. Após um ano de experimentações e ajustes, a avaliação positiva dos organizadores e das instituições públicas e privadas tornaram a ferramenta apta a ser aplicada em todo Estado.

Além do desenvolvimento e ampliação das ações de divulgação e promoção, os próximos passos para o CEM-SP incluem a integração com Registro Nacional de Museus e demais plataformas de gestão de políticas públicas, bem como a aplicação de mecanismo de avaliação continuada.

A adesão ao CEM-SP é gratuita e voluntária, feita pelo site do SISEM-SP (www.sisemsp.org.br). A aprovação do cadastro estará sujeita ao atendimento de parâmetros técnicos e será realizada por ordem de inscrição.

Podem se cadastrar os equipamentos culturais caracterizados como instituições permanentes, sem fins lucrativos, que preservem e divulguem acervos culturais materiais ou imateriais em espaços abertos ao público para finalidade de estudo, pesquisa, educação e fruição, contando com quadro de pessoal para seu funcionamento.