Exposição Passiflora S. – Vestes de fragilidade

A série parte da utilização de gavinhas de maracujazeiros para a confecção de uma indumentária e um ensaio fotográfico, ambos executados pelo artista.

As estruturas citadas, encontradas em determinadas espécies vegetais, são um meio à procura de apoio, evidenciando a insustentabilidade do caule por si só. Centrado no paralelo existente entre as formas de vidas vegetal e humana, o conjunto pode ser lido como uma “botanicamoorfização”, com discussões sobre as relações de simbiose. Nesse trabalho há a dualidade que as vestes significam: proteger-se ou ser um suporte dessas peças de características frágeis e “reveladoras”.

Fatores de fascínio e até estranhamento tem sido determinantes nas formas de representação e o projeto permite a observação de um ser humano que não consegue esconder sua vulnerabilidade e dependência em relação ao outro. E, paradoxalmente, as potências encontram-se nas estruturas delicadas.

SERVIÇO:

Passiflora S. – Vestes de fragilidade

Élcio Miazaki
Curadoria Nilton Campos.

No ECEU – Espaço Cultural e de Extensão Universitária (USP).
Avenida Nove de Julho, 980, Ribeirão Preto-SP.
Visitação de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h.
Permanência até 23/06/2017.

Realização Museu Histórico e Comissão de Cultura e Extensão Universitária da FMRP, em parceria com o MARP – Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi.

Informações (16) 3602 0695.

 

 

Fonte: MARP – Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi