Memorial da Resistência apresenta nova exposição “a desobediência civil”

Com o título a desobediência civil, Geraldo Souza Dias expõe no Memorial da Resistência, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, até 25 de setembro de 2017. A mostra é composta por 22 pinturas a óleo e colagem sobre tela e madeira – com duas obras que compõem-se de múltiplos quadros de pequenas e médias dimensões, a primeira, ziviller Ungerhorsam, formada por 51 peças, e uma segunda, arte e resistência, um friso formado de 23 pinturas – , e por fim, um vídeo de aproximadamente 4 minutos, Zen Hostel Brasil, apresentado em looping que traz alguns fragmentos da produção do artista.

O objetivo da mostra é revelar e refletir situações políticas-sociais de constrangimento às liberdades e aos direitos humanos na história republicana brasileira, retratadas na arte de Geraldo.

Souza Dias não sofreu tortura física na época da ditadura, mas ficou detido no Departamento Estadual de Ordem Política e Social (DEOPS), que hoje é o Memorial da Resistência, por ter participado de uma reunião de estudantes durante a Ditadura Civil-Militar.  Este trauma da detenção permanece em sua memória e em sua produção que pode ser conferida na mostra a desobediência civil.

Ao visitar o espaço, não deixe de conferir a exposição temporária “Carta Aberta: Correspondências na prisão”, que também está no terceiro andar do Museu, e revela como foi a comunicação entre ex-presos políticos com os familiares e amigos durante a ditadura militar, que fica em cartaz até 18 de setembro.

Sobre o artista

Geraldo Souza Dias é pintor e arquiteto, graduado em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), em 1979. Neste mesmo período, frequentou cursos de artes plásticas, estudando pintura com Esmeralda Navarro e Carlos Fajardo (1941), xilogravura com Renina Katz (1926) e desenho de modelo vivo na Pinacoteca do Estado de São Paulo. É mestre em artes visuais pelo Pratt Institute, Nova York, em 1984. Atuou como docente na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), entre 1981 e 1985. Neste mesmo ano que Dias realizou pintura mural no restaurante universitário da UFSC. Conclui o doutorado em teoria da arte na Universität der Künste em Berlim, Alemanha, em 2000, com tese sobre Mira Schendel que, posteriormente, foi publicada no país. O trabalho serviu como base para o livro Mira Schendel – do Espiritual à Corporeidade, editado em 2009 pela Cosac Naify. Parte de seu trabalho de livre-docência, que obteve na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP em 2006, foi apresentado no átrio da FAU/USP e em 2007 no Octógono da Pinacoteca do Estado.

 

Serviço

Memorial da Resistência

Exposição: a desobediência civil

Data: 1º de abril a 25 de setembro de 2017

Local: Sala 1 – 3º andar

Endereço: Largo General Osório, 66 – Luz – Auditório Vitae – 5º andar, São Paulo – SP

Telefone: (11) 3335-4990/ faleconosco@memorialdaresistenciasp.org.br

Funcionamento: quarta a segunda (fechado às terças), das 10h00 às 18h00

Estacionamento pago no local

Entrada Gratuita

Acessibilidade no local

www.memorialdaresistenciasp.org.br

Fonte: SEC