Os Planos Museológicos se configuram como documentos, com caráter de longo prazo, que visam organizar as atividades de cada área de atuação dos museus. Estabelecem o escopo de trabalho de cada setor, instituem diretrizes básicas para o início de suas atividades e orientações de trabalho, sendo por isso, exigência legal conforme estipulado pelo Estatuto de Museus (Lei nº 11.904/2009).

Tal ferramenta de gestão vem sendo amplamente discutida no contexto brasileiro, principalmente, durante as últimas décadas. Uma das principais motivações para a concepção de Planos Museológicos nasce da necessidade de reconhecimento e estabelecimento do caráter identitário das instituições, sendo que a partir desta percepção de identidade (vocação institucional), basear-se-ão todas as demais atividades, metas e metodologias a serem desenvolvidas e aplicadas pelo museu.

Desde o segundo semestre de 2011, o SISEM-SP, em parceria com a ACAM Portinari, deu início ao projeto de concepção de planejamentos museológicos às instituições do interior paulista, visando instrumentalizá-las e aprimorá-las nos serviços já prestados, oferecendo-lhes maior autonomia de trabalho e novos meios para implementarem suas estratégias de ação.

Até o momento, foram elaborados 18 planos museológicos para museus de diversas regiões paulistas.